/ 11:3012:30 / Conversa + Filme

No modelo do cinema expandido dos anos 60 e 70, podemos imaginar uma "teoria expandida do cinema" que amplie a nossa percepção e compreensão da produção cinematográfica dos artistas de hoje?

Philippe-Alain Michaud & Emily Wardill

Convidado

Philippe-Alain Michaud

Speaker

Emily Wardill

A noção de história de arte é cada vez mais ampla e pluridiscursiva, abrange variadas formas de expressão e não se resume a um só modelo canónico. Partindo do modelo do cinema expandido dos anos 60 e 70, alternativo, anti-institucional e com fortes raízes na contracultura, feito com poucos meios (financeiros e materiais), como podemos repensar ou imaginar uma “história da arte expandida”, feita também à margem das instituições? Como podemos expandir ou ampliar a nossa percepção e compreensão da produção artística de hoje? 


 

 

Philippe-Alain Michaud é Curador no Musée National d'Art Moderne - Centre Pompidou, responsável pela coleção de filmes. É o autor de Aby Warburg and the Image in Motion (Zone Books, 2002 e Macula, 2012), Le peuple des images (Desclée de Brouwer, 2004), Sur le film (Macula, 2016), Âmes primitives. Figures de film, de peluche et de papier (Macula, 2019) e tem escrito amplamente sobre as relações entre o cinema e as artes visuais. Foi responsável pela curadoria de uma série de exposições, entre as quais Comme le rêve le dessin (Musée du Louvre / Centre Pompidou, 2004), Le mouvement des images (Centre Pompidou, 2006), Nuits électriques (Musée de la photographie, Moscou e Laboral, Gijón, Espanha, 2007), Tapis volants (Villa Médici, Rome and Les Abattoirs, Toulouse, 2010), Images sans fin, Brancusi photographie, film (Centre Pompidou, 2012), Beat Generation (Centre Pompidou, 2016), L'œil extatique -

Serguei Eisenstein à la croisée des arts (Centre Pompidou-Metz, 2019).

Emily Wardill (1977) vive e trabalha em Lisboa. O trabalho de Wardill foi exposto em exposições individuais incluindo Rialto 6 (2022), Secession (2020) Kohta (2019) Bergen Kunsthall (2017), Gulbenkian Project Spaces (2017), INDEX, Estocolmo (2014), The National Gallery of Denmark, Copenhaga (2012); de Appel arts centre, Amesterdão (2012); The Contemporary Art Museum St Louis (2011) List Centre MIT Boston e ICA, Londres (2007–08). O seu trabalho foi incluído em exposições coletivas em Te Tuhi, Nova Zelândia (2019), XYZ Collective, Toyko (2019), The Biennale of Moving Images, Genebra (2016), Salzburger Kunstverein (2015), the Serpentine Gallery London (2012), the Showroom Gallery London (2010), the Gallery of Modern Art Glasgow (2011), the MIT List Visual Arts Center in Cambridge/MA (2010), the ICA, Londres (2008), the Hayward Gallery, Londres; Witte de With, Roterdão; MUMOK Viena; e MOCA, Miami. O seu trabalho recebeu o Prémio Jarman em 2010 e o Prémio Leverhulme em 2011. Participou na 54ª Bienal de Veneza (2011) e na 19ª Bienal de Sydney (2014). Algumas das colecções internacionais com trabalhos da Wardill são Tate Britain, MUMOK Vienna, Gulbenkian Art Museum, Fonds Municipal d'Art Contemporain de la Ville de Genève e a colecção do Arts Council Collection, bem como numerosas colecções privadas. É representada por Carlier Gebauer (Berlim) e Altman Siegal (São Francisco). A Wardill encontra-se atualmente a realizar um doutoramento direcionado à sua prática na Academia de Arte de Malmo, Suécia.